Friday, October 12, 2012

Verdade ou Mentira?

   "O homem sentou-se estoicamente num extremo da mesa, construindo cuidadosamente as respostas às perguntas do agente do FBI. Não era considerado o suspeito principal no caso de homicídio. O seu álibi era credível e parecia sincero, mas mesmo assim o agente pressionou-o. Com o consentimento do suspeito, fez-lhe uma série de perguntas acerca da arma do crime:
   - Se tivesse cometido este crime, teria usado uma arma de fogo?
   - Se tivesse cometido este crime, teria usado uma faca?
   - Se tivesse cometido este crime, teria usado um picador de gelo?
   - Se tivesse cometido este crime, teria usado um martelo?
   Um das armas, o picador de gelo, tinha efectivamente sido usada na realização do crime, mas essa informação tinha sido ocultada do público. Por isso, somente o assassino saberia qual dos objectos era a verdadeira arma do crime. Conforme o agente do FBI ia percorrendo a lista das armas, ia observando o suspeito cuidadosamente. Quando o picador de gelo foi mencionado, as pálpebras do homem baixaram pesadamente e assim permaneceram até que a arma seguinte fosse mencionada. O agente entendeu o significado do comportamento das pálpebras que tinha observado e a partir desse momento tornou-se o principal suspeito. Mais tarde confessou o crime" (Karlins, 2008).

Source: Lady V
 
   Inicia-se assim o prefácio, escrito por Marvin Karlins, do livro Verdade ou Mentira? (What Every Body is Saying), escrito por Joe Navarro.
   Hoje venho dar-vos a conhecer este fantástico livro que li e pretendo reler. É um livro que envolve estudá-lo, sublinhá-lo e praticá-lo e vão perceber o porquê.

   Para quem conhece a série Criminal Minds, já não é novidade que os agentes da Behavioral Analysis Unit do FBI conseguem de fato ler o comportamento não verbal. 
   Mas o que é que esta afirmação quer realmente dizer? Joe afirma que 60% a 65% da nossa comunicação interpessoal é realizada através de comportamentos não-verbais. Ou seja, o nosso corpo fala e revela ações que estão de acordo com o que dizemos (quando contamos a verdade) ou pode denunciar-nos (se estivermos a mentir).

Source: Lady V
 
   Basicamente, com este livro iremos aprender o que é a comunicação não-verbal, perceber o que cada parte do nosso corpo ou do corpo da outra pessoa nos está a querer dizer e no fim perceber se alguém nos está a mentir. Porque este livro não se resume somente a denunciar os nossos movimentos para quando mentimos ou dizemos a verdade, também ajuda-nos a perceber quando alguém está receptivo para falar connosco, quando alguém deseja ir embora ou até mesmo demonstrações de poder.
   Como tinha dito, este livro não se trata só de ler uma vez. Contém tanta informação que vai ser necessário ler novamente e até mesmo sublinhar as partes mais importantes. Mas sem dúvida que o exercício predominante do livro é praticá-lo na vida real. Isto tudo com a intenção de nós próprios sermos capazes de ler o comportamento não-verbal.
   
Source: Lady V

    Infelizmente, só li este livro uma vez. Mas pretendo lê-lo novamente e mais uma vez, para que possa comprar o segundo. 
  Consegui ficar com bastante informação para mim e uso-a no dia-a-dia, o que é ótimo. Mas antes de tudo, o que aprendemos logo no início do livro é que temos de saber observar o que nos rodeia! Se não formos observadores, como esperamos entender o que o corpo das pessoas nos estão a dizer?
    Muito mais fica para vos dizer, sem dúvida que sim, mas não me recordo de tudo pois já li este livro há algum tempo. Para além de que é como um livro de matemática, fala só sobre o mesmo e por isso estar-vos a contar uma pequena parte é impossível, porque não é como um livro de contos, onde poderia fornecer-vos um resumo. Mesmo assim, achei que seria realmente interessante dar-vos a conhecer este livro, escrito por um ex-agente do FBI e especialista em comportamento.

   Mas para quem vos aguçou a curiosidade (espero eu!), deixo-vos algumas dicas de comportamento não-verbal que tenho usado. Espero que vos sejam úteis para o vosso dia-a-dia e por fim gostaria de saber, qual é a vossa opinião sobre este assunto. Acham que o comportamento não-verbal é ou não é credível? 

   Vamos agora aprender alguns truques? :D
   Antes de tudo, gostaria de vos perguntar: qual acham que é a parte mais honesta do nosso corpo? A cara? As mãos? Ou os ombros? Nada disso, a parte mais honesta do corpo humano são os pés! Joe explica: "Ao ler a linguagem corporal, a maioria dos indivíduos começa a sua observação no topo de uma pessoa (a cara) e vai descendo, apesar do facto da cara ser a parte do corpo que é usada com mais frequência para enganar e esconder os verdadeiros sentimentos. A minha abordagem é precisamente o oposto. Tendo conduzido milhares de entrevistas para o FBI, aprendi a concentrar-me nos pés e nas pernas do suspeito em primeiro lugar, deslocando a minha observação para cima até chegar à cara em último lugar. No que diz respeito à honestidade, a verdade vai diminuindo à medida que nos deslocamos dos pés para a cabeça" (Navarro, 2008).
   
   Então, para determinarmos se as pessoas estão felizes por nos verem ou se preferiam que as deixássemos sozinhas, observem o comportamento do tronco e dos pés. Se quando nos aproximarmos de alguém e essa pessoa virar os pés juntamente com o tronco na nossa direção, é porque a nossa chegada é genuinamente bem-vinda. Mas, se a pessoa não virar os pés para nós e se só virarem as ancas para nos cumprimentarem, então é porque preferem que a deixemos em paz. Faz sentido não? Isto tudo porque, "temos tendência para nos voltarmos na direção oposta daquilo que não gostamos ou que nos desagrada". Da mesma forma que, se não estivermos a gostar do tema de uma conversa, os nosso pés irão virar-se para a saída mais próxima. Ou seja, virar os pés noutra direção, demonstra um desejo de se distanciar.
   Agora vamos falar do nosso tronco. Basicamente, quando nos sentimos confortáveis com alguém iremos virar o nosso tronco para essa pessoa pois sentimos confiança, isto porque o tronco é uma área vulnerável. Quando sentimos desconfiança, desconforto ou ameaça, vamos proteger o nosso tronco. Como? Geralmente, cruzando os braços! Cruzar os braços ou colocar alguma coisa à frente do nosso tronco, como uma mala, acaba por criar o nosso espaço de segurança e impedir que a pessoa se chegue demasiado até nós. É uma boa dica e já a usei com alguém que gostava de invadir o nosso espaço pessoal... Vim mais tarde a saber que era um ofensor que batia na sua namorada, uma amiga minha. Mas este caso já ficou resolvido :)
   Por fim, nós próprios podemos fornecer às outras pessoas sinais que transmitam atenção e afeto, através dos nossos braços. "Ao abordar um estranho pela primeira vez, tente demonstrar calor humano deixando os braços relaxados, em particular com a parte ventral exposta e talvez mesmo com as palmas das mãos bem visíveis. Esta é uma forma muito poderosa de enviar a mensagem: «Olá, as minhas intenções são boas»..." Da mesma forma que "uma das melhores maneiras de estabelecer relação com alguém é tocar essa pessoa no braço, algures entre o cotovelo e o ombro", pois é um lugar seguro e bom para se iniciar contacto humano.

   Espero que tenham gostado deste post e que vos seja útil!
   Já agora, participaram no sorteio Anel Penas de Pavão? Termina já amanhã!

   Bom fim-de-semana :D





   Navarro, J. (2008). Verdade ou Mentira? Academia do Livro.

9 comments

Thank you for your thought ♥

  1. Valeu pela dica..vou procurar o livro, parece bem interessante. Abraços. Sandra

    ReplyDelete
  2. O livro parece bastante interessante :b

    ReplyDelete
  3. sinceramente não é tipo de leitura que me agrade

    ReplyDelete
  4. Já leste o Body Language for Dummies? Encontra-se na net e dá para sacar :) É muito bom e aprendi uns truques bem giros, principalmente a nível da interpretação do olhar ;)

    Beijinhos e bom fim-de-semana :D

    ReplyDelete
  5. Eu acho que ia adorar esse livro! Quem dá formação também tem algumas aulas sobre linguagem corporal e formas de captar a receptividade e criar empatia. É super interessante e desafiante, porque depois também há excepções!

    Agora uma confissão: se tivesse optado por outra área, e não tendo média para entrar em medicina e seguir psiquiatria, teria sido a psicologia criminal Fascina-me a mente de alguém com perturbação social e o desafio de reabilitá-la.

    Beijinhos!

    ReplyDelete
  6. Gostei muito do artigo, muito bem escrito !
    Parabens ! :)

    ReplyDelete
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...